• crisnacaroline

"Eu Morreria por ti & Outras Histórias": alguns contos esquecidos de F. Scott Fitzgerald (Resenha)

Talvez eu me repita um pouco (me perdoem), mas eu realmente me apaixonei pela leitura de contos! De tal forma que não tem um mês que eu não leia pelo menos um.


Quando era assinante da Tag, livros extras estavam entre meus mimos preferidos, e não foi diferente com a caixa de dezembro de 2020, na qual recebemos uma pequena coletânea de contos, assinantes da Inéditos de Arthur Conan Doyle, e assinantes da Curadoria (meu caso), de F. Scott Fitzgerald.



A coletânea “Eu Morreria por ti & Outras Histórias”, produzida em parceria com a Antofágica, é bem bonita, com capa dura e várias ilustrações. Nela, foram selecionados 3 contos bem diferentes uns dos outros, provavelmente retirados de uma coletânea lançada nos Estados Unidos em 2017, com 18 contos de Fitzgerald nunca antes publicados, por terem sido rejeitados por revistas ou, em alguns casos, pelo cinema. Vou falar um pouco sobre eles:


O primeiro, “A Promissória”, é o mais divertido. É narrado por um editor que decide dar uma cópia de brinde a um leitor no trem em que viaja, a título de divulgação, e descobre que decisão de publicar a obra na qual investiu muito dinheiro em design, revisão e publicidade e da qual produziu 300 mil exemplares talvez tenha sido um grande erro. Eu dei muitas gargalhadas, sem dúvidas!


O segundo, “Fazer o quê”, também tem seus momentos divertidos, mas é bastante confuso também, e cheio de coisas não ditas. Acompanhamos um médico assistente que vai visitar uma paciente hipocondríaca no lugar de seu chefe e acaba descobrindo uma bela moça e um garoto desconcertante.


O terceiro dá título ao livro, “Eu Morreria por ti (A Lenda do Lago Lore)”, e, embora muitos dos diálogos tenham um tom de ironia, cinismo e sarcasmo, sua história é completamente dramática. Uma equipe está fazendo algumas filmagens em um rochedo. No hotel, que fica próximo a um lago, uma jovem atriz conhece um homem misterioso que dizem levar as moças ao suicídio de desespero por seu amor. Uma narrativa cheia de mistério e com um desfecho surpreendente.


Foi minha primeira experiência lendo F. Scott Fitzgerald, e me deixou bastante curiosa por sua obra mais conhecida, “O Grande Gatsby”, que lerei em abril.